" />

O cérebro e o desafio de ser mãe após a gestação


  • 09 Maio, 2018

Os cientistas já atestaram que o cérebro da mulher se modifica de maneira específica e duradoura durante a
gravidez. O mais recente estudo sobre o tema, também mostrou que essa remodelação significativa no cérebro
persiste por pelo menos dois anos após o nascimento do bebê.

As mudanças ocorrem nas regiões cinzentas, onde a concentração de hormônios é maior. Essas transformações
estão ligadas à cognição e auxiliam na identificação das necessidades do bebê, além de mudarem a percepção
da mulher em relação à empatia e nas relações sociais – elas ficam mais aptas a colocar-se no lugar do outro e
imaginar o que se passa na mente alheia.

Essas mudanças adaptativas mostram que, como pais, o cérebro responde à novas incumbências e prepara-se
para resolver novas demandas. Tudo isso aumenta as chances de o bebê vencer e corrobora com as teorias
evolutivas.

Se a gravidez é um fator que altera a arquitetura do cérebro humano, essa evolução está intimamente ligada
ao comportamento. Por isso, você consegue, está apta e se transformará intimamente, mas pode (e deve) pedir
ajuda quando se sentir aflita ou sozinha nessa transformação. Tenha certeza: esse momento é vital para a
saúde de todos e é um encontro com você mesma.